“No Brasil morrem 300 mil pessoas por ano devido a doenças cardiovasculares, que precisam ser prioridades nas políticas públicas”